UNIVERSIDADES SÉNIORES: ACONTECIMENTOS, TRABALHOS, ETC.

16
Jun 15

U3I.jpg

 

Estórias e Contos Tradicionais Portugueses

 

Lenda “A Moura”

 

     Era ali, na loja do tio Décio, que toda a gente se juntava.

     Na parte de baixo os que mais gostavam de beber e falar, em cima, separados por uma enorme e espessa parede, os jogadores de cartas e do burro, e ainda do lado de fora, no pátio, aqueles que gostavam de jogar ao chinquilho.

     Vendia-se de tudo ali.

     Foi também em casa do tio Décio que existiu a primeira telefonia do lugar; tinha tamanho monstruoso, funcionava por intermédio da bateria de um carro e juntavam-se à volta dela dezenas de pessoas a ouvir, sobretudo a missa e os relatos desportivos.

   Na casa do tio Décio acontecia de tudo: cantava-se, narravam-se praticamente todas as passagens do quotidiano e até se davam “lições de história”, cujos intervenientes eram dois irmãos, o Joaquim e o José Pegas, excelentes marceneiros de profissão. A tecnologia do tempo era serra braçal, martelo, formão e a arte, muita arte, que fazia sair das suas mãos medidas, portas, mobílias, tudo em madeira, muito bem trabalhado e aferido. À noite, os dois irmãos iam também beber o seu copo à loja do tio Décio, e que agradável era ouvi-los quando estavam já meio “borrachos”! Sabiam a História de Portugal de ponta a ponta e a troco de um tostão de vinho relatavam-na tal qual como se encontrava nos livros.

     Negócios, adivinhas, contractos de homens e mulheres à jorna e outras coisas que mal nos passam pela cabeça, tudo acontecia na casa do tio Décio. Foi lá que tudo começou:

     -Já te disse, era lá no poço escuro que uma Moura tomava banho, e ninguém mais lá mete o cu naquela água, sobretudo na parte mais funda, aquele que o fizer sujeita-se a ficar lá, como já aconteceu a alguns. Cá de fora vê-se bem o remoinho que a água faz, aquele que lá cair é engolido, desaparece imediatamente através de um túnel que ninguém sabe onde vai dar nem o que lá por dentro.

     -Oh, tio André, você a contar histórias ganha ao Bocage! Há-de dizer-me onde é que fica esse poço escuro que é para eu lá ir abraçar a Moura.

     -Tu também o que tens é garganta, mas se lá fosses ficavas sem ela num instante.

     -Ah sim! Olhe lá, você quer fazer uma aposta comigo?

     -Ah pois quero, nem é tarde nem é cedo, vinte escudos para o que ganhar.

     Esta conversa desenrolava-se lá em baixo na adega entre o André da Rosa e o João da Perdida. Entre eles a diferença de idade era grande, o André da Rosa andava pelos sessenta anos, enquanto o João da Perdida não passava dos trinta e cinco.

     Tal e qual como a idade, também as vivências eram diferentes. O André da Rosa nunca tinha saído dali, enquanto o João da Perdida já tinha trabalhado pelo país todo e até em Espanha.

     -Está arrumado.

     Fizeram uma cruz no chão, meteram o dinheiro na mão duma das testemunhas e combinaram ir lá no domingo seguinte.

     Era um rancho considerável. E, para encurtar caminho, desceram os Outeiros pelo lado do poente, precisamente pela parte mais íngreme, onde o caminho era aos esses até chegar à várzea.

Quando se atingia o sopé da montanha dava gosto olhar-se em redor para se desfrutar de uma paisagem ímpar, constituída ao cimo pelo azul do céu, ao lado pelo verde dos pinheiros e do mato, pelo amarelo da flor da carqueja e das acácias, e ali aos nossos pés um ribeiro a correr suavemente com a água a espelhar-se nas pedras soltas, parecendo dançar com elas uma valsa de Chopin interpretada pelos esguios canaviais que circundavam todo o leito.

     Depois, um pouco mais além, encontra-se uma azenha, depois outra, e logo a seguir, como imponentes sentinelas para manter o respeito e a vigilância por aquela deslumbrante e preciosa aguarela natural, lá estão, frente a frente, os Penedos da Moura e da Bica. Depois, tinha-se o Penedo do Galo, da Batata, as casinhas da velha da Cabrieira, a Cova das Mortinheiras, a casa do Silva, os casarões onde dizem terem vivido pessoas muito ilustres, a serra do Poio, etc., etc..

     Todo o caminho era agreste e estreito, parecendo uma serpente ondulante a seguir o ribeiro com idênticas características.

     -Alto lá, próximo do poço escuro, mais propriamente na laje. A partir dali não havia nenhum caminho. Tinha de escorregar-se pelo desfiladeiro, vigiado de perto por uma cascata deslumbrante cuja água fazia lembrar roupa a corar ao sol balanceada suavemente pelo vento.

     -É aqui.

     O poço escuro situava-se mesmo no fim do desfiladeiro, a seguir a uma represa que através de uma levada alimentava uma azenha construída na encosta da serra, a alguns metros de distância.

     Tratava-se de um pequeno lago, estreito, meio coberto com salgueiros e estevas, não aparentando à primeira vista nada de tenebroso, a não ser a água muito escura.

     -Vês, acolá naquele canto, aquele remoinho, aquela água a mexer? É ali que está o perigo.

     -Bem, a aposta está feita, não é verdade?

     -O dinheiro encontra-se na mão das testemunhas.

     Primeiramente o João da Perdida despiu-se. Depois olhou em seu redor, tirou do pequeno saco de pano uma corda, foi amarrá-la a um pinheiro que se encontrava próximo e depois atou a outra ponta por debaixo dos braços.

   -Nem isso te vai salvar, vais ver! Mas fique bem assente, eu não sou responsável por nada. Ouviste? Olha que eu não tenho nenhuma responsabilidade.

     O João da Perdida dá uns passos, coloca-se em cima de uma pedra, respirou fundo e atirou-se para a água.

     O João era magro, baixo, tinha o peito bastante largo e uma caixa toráxica que mais parecia o fole de um ferreiro.

     -Já está, já lá ficou, cá para mim é melhor puxarem a corda – dizia o tio André, ao ver que o João não aparecia à tona da água.

     Já ganhei, botem para cá os vinte escudos. Já lhe partiram a corda, vejam que ela já nem mexe.

     Mas o João sabia o que estava a fazer, nadava bem, aguentava-se debaixo de água quase como um cágado.

     -Ei! Oh tio André que bonita é a Moura! Já lhe dei dois beijos, um abraço e vou-me casar com ela – dizia o João ao mesmo tempo que dava uma gargalhada e nadava por todo o espaço do poço escuro.                                                                                                                                                                                                                                                                                                               Sá Flores

 

Ditos, Ditados e Provérbios Portugueses

 

Em Junho foice em punho.

Sol de Junho madruga muito.

Junho calmoso, ano formoso.

Junho chuvoso, ano perigoso.

Junho floreio, paraíso verdadeiro.

Junho quente, Junho ardente.

A Chuva de São João, bebe o vinho e come o pão

 

Sugestão de Culinária

  

Entrecosto assado no forno

Ingredientes:

1,200 kg de entrecosto

750 g de batatas

3 dentes de alho

1 dl de azeite

1,5 dl de vinho branco

3 colheres (sopa) de massa de pimentão

Sumo de 1 laranja

Sumo de 1 limão

1 folha de louro

Salsa q.b.

Sal e pimenta q.b.

 

Preparação:

Arranje o entrecosto, corte-o em pedaços em coloque-os numa tigela.

À parte, misture a massa de pimentão, o vinho branco, o sumo de laranja, o sumo de limão, os dentes de alho picados, a folha de louro partida e tempere com sal e pimenta.

Junte esta mistura ao entrecosto, envolva bem e deixe marinar durante 1 hora.

Ligue o forno a 170 graus.

Disponha o entrecosto num tabuleiro de forno com metade da marinada, regue-o com o azeite e leve ao forno durante 15 minutos.

Descasque e lave as batatas, corte-as em quartos, junte-os ao tabuleiro da carne, rectifique de sal e pimenta, envolva e deixe cozinhar aproximadamente 30 minutos, mexendo de vez em quando para que fique com uma assadura uniforme. Se necessário, vá regando com o resto da marinada.

Quando estiver cozinhado, retire do forno e sirva polvilhado com salsa picada a gosto.

Pode acompanhar com salada e gomos de laranja.

  

Poesia

 

Erguida nessa Colina

Belo Hino à Natureza

Desce até à campina

Sem deixares de ser princesa.

 

Caminha feita na geira

Olhar posto no Suão

P´ra teres água na leira

Celeiro nobre de pão.

                                                                                                    Sá Flores

 

Sugestão de Fim de Semana / O que visitar na minha Cidade?

  

ARTESANATO.jpg

Foto da Semana

 

As alunas da disciplina de Artes Decorativas participam no workshop de sabonetes

1.JPG

 

4.JPG

 

publicado por IDADE MAIOR às 11:53

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


APOIO
LOGO PENELA
arquivos
mais sobre mim
ENTIDADE PROMOTORA
LOGO PT FUNDAÇÃO1
UNIVERSIDADE SÉNIOR DE PENELA
pesquisar
 
blogs SAPO